Personalidades Distinguidas ex-aequo com o prémio Maria Teresa Palha no ano de 2020

A Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21, enquanto instituição particular de solidariedade social de referência, tem, como principal objetivo, a construção de uma sociedade inclusiva, capaz de concretizar o nobre ideal da Valorização das Diferenças, conceito assente na presunção de que é possível converter uma diferença geradora de uma desvalorização social num enaltecimento diferenciador e sedutor. O Prémio Maria Teresa Palha, a atribuir anualmente, com início no ano de 2018, assume como finalidade reconhecer individualidades que, pela sua relevância e pelo trabalho desenvolvido, tenham contribuído de forma decisiva e com particular impacto no apoio a crianças, adolescentes e adultos com Perturbações do Neurodesenvolvimento, quer através de uma abordagem teórica (introduzindo novos conceitos e metodologias; modificando as mentalidades; etc.), quer por meio de uma abordagem prática (apoio clínico directo; etc.) ou ainda por apoios materiais de diversa ordem.

 

PERSONALIDADES LAUREADAS EM 2018:
João Gomes-Pedro
David Casimiro de Andrade
Maria da Graça Andrada

PERSONALIDADES LAUREADAS EM 2019:
Luís de Mello Borges
Ana Maria Bénard da Costa
Pedro Bidarra
Alexandre Soares dos Santos

PERSONALIDADES DISTINGUIDAS EX-AEQUO COM O PRÉMIO MARIA TERESA PALHA NO ANO DE 2020

  • ÁREA DA PEDIATRIA DO NEURODESENVOLVIMENTO E DA NEUROPEDIATRIA: KARIN DIAS, NEUROPEDIATRA, APOSENTADA; E NUNO LACERDA; PEDIATRA DO NEURODESENVOLVIMENTO, APOSENTADO. 
  • ÁREA DO ASSOCIATIVISMO: ISABEL COTTINELLI TELMO, PROFESSORA, ARQUITECTA E DIRIGENTE DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO. 
  • ÁREA DA ACÇÃO SOCIAL: FRANCISCA PRIETO, FUNDADORA E DINAMIZADORA DA LIVRARIA SOLIDÁRIA DÉJÀ LU.

 

KARIN DIAS:

A Dr.ª Karin Dias nasceu na Alemanha, na cidade de Burgau, de mãe alemã e de pai português, este último o insigne Prof. Doutor Jorge Dias, etnólogo e fundador do Museu de Etnologia de Lisboa, a fazer, na altura, o seu doutoramento naquele país. Karin Dias fez o internato de Neurologia no Hospital de Santo António dos Capuchos, onde recebe os ensinamentos e a influência do notável clínico e neurologista Dr. Orlando Leitão, que a entusiasmou a abraçar a Neuropediatria. Com Cândida Maia, do Porto, e com Luís Borges, de Coimbra, neurologistas de adultos, rumou a Londres, a fim de se especializar na área da Neuropediatria, no Great Ormond Street Hospital – Hospital for Sick Children, sob a orientação do consagrado Dr John Wilson. Estes três neurologistas constituíram, assim, a primeira geração de Neuropediatras portugueses. Ao regressar a Portugal, Karin Dias exerce as suas funções clínicas nos Hospitais de Santo António dos Capuchos e de D. Estefânia, sempre com um grau de excelência inultrapassável. Com grande inconformismo e imaginação, exerce, também, um extraordinário magistério, sobretudo no Hospital de D. Estefânia, ao envolver-se, activamente, na formação de diversas gerações de neuropediatras, muitos deles de grande nomeada e que, no presente, pontificam no nosso país.

 

NUNO LACERDA

Pediatra formado no Hospital Universitário de Santa Maria, Lisboa, integra a geração que se envolveu na primeira departamentação de um serviço de pediatria nacional, ocorrida em meados dos anos 70 do século passado. Na sequência da reorganização verificada no Serviço de Pediatria deste Hospital, Nuno Lacerda, conjuntamente com João Gomes-Pedro e Maria José Lobo Fernandes, dinamiza a primeira Unidade de Desenvolvimento nacional. Considerado entre os seus pares como a maior autoridade nacional em Desenvolvimento típico (isto é, convencional, não patológico), Nuno Lacerda dirige e dinamiza, de forma absolutamente superior, a Unidade de Desenvolvimento do Serviço de Pediatria do Hospital de Santa Maria até à data da sua aposentação, ocorrida na primeira década do século XXI. Personalidade excepcionalmente metódica, rigorosa, criativa, inovadora (foi dos primeiros pediatras a embrenhar-se na informática clínica, logo nos anos 70 do século passado), sensível e cordata, envolveu-se, activa e desinteresseiramente, na formação de múltiplas gerações de pediatras e, sobretudo, de pediatras do neurodesenvolvimento, muitos dos quais são hoje figuras cimeiras nacionais no âmbito desta subespecialidade; e foi, sem dúvida, um elemento chave na criação, desenvolvimento e divulgação da escola de Neurodesenvolvimento do Departamento de Pediatria do Hospital de Santa Maria, academia deveras prestigiada no estrangeiro.

 

ISABEL COTTINELLI TELMO

A arquitecta e professora universitária Isabel Cottinelli Telmo tem-se desdobrado em estudos sobre as Perturbações do Espectro do Autismo desde há mais de 50 anos e foi uma das personalidades fundadoras da APPDA (Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo), ocorrida em 1971. Preside à instituição desde 1986 e tem-se batido, desde sempre, pela defesa intransigente dos direitos das pessoas com Perturbações do Espectro do Autismo e suas famílias, bem como pela sua integração social. Em 2003, a APPDA deu origem à Federação Portuguesa de Autismo, disseminando-se por todo o país. A instituição oferece apoio residencial aos seus associados, proporciona um serviço de consulta de diagnóstico e acompanhamento, protagonizado por uma vasta equipa de pessoal devidamente habilitado e treinado para este objectivo, e dinamiza uma escola de ensino especial, bem como um centro de actividades ocupacionais. Em colaboração com o Ministério da Educação, a APPDA coordena uma equipa de técnicos que apoia crianças com Perturbações do Espectro do Autismo nas escolas de ensino regular. Mas, para além de todo o trabalho já realizado, Isabel Cottinelli Telmo tem um sonho verdadeiramente extraordinário e inovador: construir um lar para pessoas com Perturbações do Espectro do Autismo acamadas.

 

FRANCISCA PRIETO

Francisca Prieto, publicitária de formação, é uma jovem mãe de uma adolescente com trissomia 21. Em 28 de Fevereiro de 2015, fundou a livraria Déjà Lu, uma loja, como costuma dizer, “de livros já lidos; poderíamos chamar-lhes de livros em segunda mão, mas não é a mesma coisa. Afinal estes são livros que já fizeram companhia a alguém. São agora revendidos por uma causa solidária, porque a grande parte das receitas reverte para a Associação Portuguesa de
Portadores de Trissomia 21”.
E como diz um cliente da loja,…há espaços que encontramos por acaso quando passeamos em dias de sol. Ao cimo dumas escadinhas estreitas abre-se uma surpresa – uma loja de livros encantada. Corremos os olhos pelas prateleiras baixas, lemos os títulos dos livros, aproveitamos a luz lindíssima que entra pelas janelas. Apenas para descobrirmos, como segredos escondidos na secretária dos avós, que há mais e mais salas com mais e mais livros. Um espaço lindíssimo, com uma decoração que convida à leitura e tranquilidade por todo o lado. Um tesouro à cidadela de Cascais!”. Com a sua acção benemérita, generosa e solidária, Francisca Prieto tem proporcionado cuidados de grande qualidade, sobretudo clínicos e neurodesenvolvimentais, a inúmeras pessoas com trissomia 21 das mais diversas idades e respectivas famílias.

 

Por razões que se prendem com a pandemia a COVID-19, a cerimónia de entrega do Prémio Maria Teresa Palha, edição de 2020, fica adiada sine die.